zona de conforto

Hoje quero falar com você sobre Zona de Conforto. Apesar do nome, acredite, nem sempre é muito confortável estar nela!

Zona de conforto é um termo usado por coaches no mundo todo, para definir aquele “lugar psicológico” onde muitos indivíduos ficam instalados, sem mudar nenhum aspecto de suas vidas.

A pessoa pode ficar em sua Zona de Conforto por comodismo, falta de energia (que vem da falta de motivação), desesperança, falta de conhecimento da existência de novas possibilidades, ansiedade ou medo de mudanças.

Quando a pessoa acredita sinceramente que aquele é o único presente que lhe cabe, e futuro também, por não ter tido oportunidades de enxergar além, temos uma situação radical – principalmente nesta era tecnológica, onde conhecimento e oportunidades são amplamente compartilhados.

Quando a pessoa até conhece alternativas para sua Zona de Conforto, mas não tem energia para sair dela, precisamos motivá-la, ajudá-la a encontrar objetivos para evoluir, crescer, mudar. Falaremos disso adiante.

Para você sentir o que é a Zona de Conforto, imagine-se sentado num sofá dos anos 90 – do qual você não se desfaz porque ele é pesado e ruim de passar na porta, e dá arrepios em pensar nisso. Pensando bem, mesmo que a espuma esteja afundada, o tecido gasto, ele é o seu primeiro sofá, e ainda dá para sentar. Para que se desfazer dele?

Zona de conforto também pode ser comparada àquela camiseta de dez verões passados, com alguns furinhos, que você não dá, não empresta e não vende, porque “ela ainda está boa”. Você sai com ela na rua, e todos veem que ela está ultrapassada, horrorosa mesmo. Mas você está acostumado com ela. E fica pagando mico.

Provavelmente agora você já construiu uma imagem mental do que seja a zona de conforto. É a hora de te explicar, então, o que está por trás dela.

Acompanhe o conteúdo pelo índice abaixo:

O que é Zona de Conforto

A zona de conforto, por definição, é um estado mental, posicionamento, conjunto de ações ou métodos que repetimos indefinidamente, mesmo não tendo resultados satisfatórios em nossas vidas, porque nos sentimos apegados a estes padrões e seguros com o que temos, somos e fazemos.

E qual é o mal em sentir-se apegado e seguro em relação a alguma coisa?

Em teoria, mal nenhum, a não ser que, dia após dia, você veja sua vida passar e só tenha perspectivas pessimistas, derrotismo em relação a você, seus relacionamentos familiares e afetivos, seu trabalho, seus ganhos e seu futuro.

Afinal, algo que traz segurança não deveria trazer pessimismo ou derrotismo, concorda?

Quando isto acontece, demonstra que, na verdade, você só não muda porque tem muito medo de dar o primeiro passo em direção ao desconhecido.

Este lugar onde você está parado de medo, acomodado no sofá velho, com a camiseta furada, é sua Zona de Conforto.

Medo, desequilíbrio e progresso

A zona de conforto é alimentada, lá no fundo, por um medo irracional que temos, de perdermos o equilíbrio, a harmonia, o que conhecemos.

Como começar uma atividade paralela, após o serviço, e deixar de ver o jornal das oito, a novela, seriado ou jogo de futebol?

Como buscar uma alternativa para ter liberdade financeira, e deixar de ter os finais de semana livres para dormir até mais tarde, ou ir ao churrasco com cerveja com família e amigos?

O que as pessoas vão pensar de você se mudar seus hábitos? Vão te achar metido a besta, que não dá bola para os amigos ou família, ficou estranho?

Muitas pessoas permanecem fazendo o que fazem, na bendita zona de conforto, para não terem trabalho de mudar, para não serem julgados pelos outros. Paralelamente, continuam reclamando de suas vidas, do salário, da crise econômica, das dívidas no cartão de crédito, de não sair do aluguel…

Para mudar o seu estado atual, você precisa sair do lugar. Só assim se progride. Se um bebê tivesse medo de fazer diferente, ele não engatinharia e não andaria de pé após o primeiro ano de idade. Já imaginou, um mundo onde nos locomovessemos rolando ou nos arrastando, com medo de cair?

Agora, pense no que é caminhar. Pare de ler este texto, e fique de pé. Agora, levante uma das pernas para começar a andar, mas não a apoie no chão.

O que acontece?

Você desequilibra, e rapidamente apoia a perna no chão, e dá mais um passo.

Se perceber, caminhar é desequilibrar-se e voltar ao equilíbrio permanentemente.

A vida é assim também. Para progredirmos, termos resultados melhores, precisamos nos dar de presente situações diferentes, oportunidades que nos façam ser melhores.

Formas de sair da zona de conforto

sair da zona de conforto

Para sairmos de um lugar em que nos achamos acomodados, precisamos ter motivação. E vamos dar aqui uma ajuda para que você encontre motivos para agir diferente, e comprometer-se a mudar.

Tudo começa com perguntas inteligentes e respostas honestas.

  1. Você se sente satisfeito com sua vida profissional e resultados financeiros hoje?
  2. O que você ganha é suficiente para pagar contas e também sobra para ter acesso a lazer, cultura, e economizar?
  3. O que você ganha está garantindo um futuro tranquilo para você e sua família?
  4. Como espera estar daqui a 5 ou 10 anos, fazendo o que faz hoje?
  5. O que faz hoje te faz sentir um exemplo de sucesso para seus filhos, para que eles te imitem no futuro e tenham sucesso também?

Particularmente, neste anos buscando autodesenvolvimento, descobri que ter sucesso na vida significa ter todas as áreas em evolução, e bem.

Não adianta você ser um exemplo em seu meio religioso e ser um péssimo pai, ou mãe, ou filho. Também não adianta ter uma família unida, mas não ter o suficiente para colocar no prato, ou para proporcionar oportunidades de crescimento para si e seus filhos.

Se você tem sucesso pessoal, sua vida amorosa, familiar, espiritual e profissional tem que caminhar juntos para uma contínua melhora.

O insucesso em uma das partes afeta o sucesso em outras partes. Ou como diria meu pai, “não me venha achar que é bonito ser feio”!

Não é bonito estar acomodado numa situação que priva você e sua família de oportunidades, cultura, lazer, desenvolvimento pessoal e profissional.

Se você está neste ponto de sua vida, que tal levantar do sofá velho da zona de conforto e dar uma guinada?

Sonhar, planejar e executar

Para planejar algo, é preciso sonhar primeiro. Sonhar é o que vai dar ânimo para enfrentar situações novas, quando você consegue transformar o sonho em objetivo.

Exemplo: João sonhava em poder trabalhar de casa, curtir o crescimento dos filhos e proporcionar uma  vida confortável financeiramente para a família.

Qual o objetivo de João?

Trabalhar em casa, perto da família, com um  bom retorno financeiro.

Como João alcançará este objetivo?

Da mesma forma que qualquer pessoa focada em seu objetivo faria:

  • Pesquisando todas as atividades que possa desenvolver em casa;
  • Separando e classificando as atividades por capacitações necessárias, regulamentação necessária e ganhos financeiros;
  • Escolhendo uma atividade “piloto”, para ele começar a testar, paralelo a seu emprego formal;
  • Estabelecer as primeiras ações necessárias;
  • Realizar as ações, passo a passo.
  • Avaliar os resultados, corrigir as ações necessárias, voltar a executar as ações necessárias.

Perceba que este passo a passo você também pode usar. Inclusive para sair de sua zona de conforto e de medo de se arriscar!

Zona de conforto e satisfação profissional

Muitos trabalham anos no mesmo tipo de negócio, ou com carteira assinada, quando na verdade gostaria de sair porta afora e empreender, por exemplo.

E por que não fazem isso?

O motivo, novamente, é o medo de largar algo que não gosta de fazer, mas lhe traz o pagamento ao final do mês, por uma atividade desconhecida e que nunca executou.

Desculpas básicas de quem tem medo:

  • Eu não sei usar (um computador, um programa, uma máquina específica… vá aprender!);
  • Vai ocupar meu tempo de descanso (aproveite para descansar quando morrer, gente!);
  • Meu amigo fez e não deu certo (uma experiência ruim não justifica escolhas);
  • Minha família não me apoia (e ela já fez e teve experiência para apoiar ou não?);
  • Vou começar mais para frente (no dia de são nunca, possivelmente).

Atitudes de quem vai com medo mesmo:

  • Vai ser divertido aprender algo novo; vou exercitar meu cérebro;
  • Nada como ocupar meu tempo ocioso desafiando meus limites;
  • Olhe quantas pessoas já estão fazendo isso com sucesso!;
  • Eu gosto da minha família, mas na minha vida mando eu;
  • Melhor fazer mal feito, do que não começar, ou não agir;
  • A hora de começar é agora, que baita adrenalina!

Perceba que existe uma automotivação para sair da zona de conforto. O incômodo de não fazer o que gosta, e de ter sonhos e objetivos cobrando seu posicionamento são maiores do que o medo de errar, de fracassar, ou até mesmo de ter sucesso.

O medo do sucesso

Pode parecer loucura, mas tem pessoas que têm mais medo do sucesso do que do fracasso!

Pare e pense um pouco.

Quando se tem sucesso em algo, isso traz mudanças em todas as áreas da vida e o questionamento “será que dou conta disso?” pode aparecer para não deixar sair do que é conhecido.

Existe uma forma de confundir o nosso cérebro e passar por cima desse medo. Existem perguntas feitas de uma maneira particular que “abrem caminho” para sermos ousados, enfrentarmos o medo e nos atirarmos em novos projetos.

Você pode usar nesse exercício as desculpas básicas de quem tem medo, listadas acima, caso se identifique com itens da lista. Pode, inclusive, criar sua própria lista para trabalhar com seus medos.

Segue um exemplo. Se você tiver medo de mudar sua rotina diária…

Pergunte aí:

“Se mudar a minha rotina diária não fosse problema, o que me impediria de iniciar um novo negócio que me trará independência financeira”?

Sua resposta precisa ser: nada me impede.

Mas… pode ser que você arranje outro medo, por exemplo, de ficar rico e mudar amizades.

“Se ficar rico e mudar amizades não fosse problema, o que me impediria de iniciar um novo negócio que me trará independência financeira”?

Sua resposta deve ser: nada me impede.

A pergunta seguinte é:

“Se nada me impede de iniciar um novo negócio que me trará independência financeira, o que me impede de começar a buscar opções agora”?

Nada te impede.

Criando seu negócio, bye bye zona de conforto

sair da zona de conforto motivacional

Existem opções de negócio que você pode fazer em paralelo com seu emprego, após o expediente, ou num período no final de semana.

Eu gosto de chamar de Plano B.

Para que um plano B seja executável, não pode tomar mais de 2 horas de seu dia. Afinal, emprego já toma de 8 a 10 horas, pelo menos.

O plano B também precisa ter tarefas simples para serem executadas diariamente, por qualquer pessoa. Deve ser facilmente ensinável.

O plano B deve poder ser feito de casa – porque ninguém merece ter que se deslocar de novo para fazer um novo negócio.

O plano B pode ser iniciado imediatamente, se a pessoa se decidir por isso.

Um plano B ideal

Imagine agora ter um novo negócio, feito a partir de um computador em casa e podendo  checar até pelo celular depois.

Neste novo negócio o investimento é baixo – nada de comprar equipamento, maquinário, embalagens, e muito menos estoque para iniciar.

Também pode ser feito de noite, ou até de madrugada, quando não estiver trabalhando. Sua dedicação diária é você que define.

Você não precisa ser especialista em nada – existe um passo a passo para quem quer iniciar. É só seguir as instruções.

Concorda comigo que não existe desculpa para ficar refém do medo da mudança e prisioneiro da zona de conforto?

Se você quer conhecer agora um plano B ideal, com baixo investimento, simples de executar, revendendo produtos importados pela internet, assista esse vídeo agora mesmo.

Avatar
Faz parte da equipe de conteúdo da Empreenda Ecommerce. A curiosidade a fez “especialista em assuntos aleatórios” – sabe de tudo um pouco, pois ela não para de estudar novos assuntos. Escreve desde os nove anos de idade e hoje se orgulha dos vários livros publicados.